Neuroinsight: o poder do Storytelling.

Neuroinsight: o poder do Storytelling.

Muito se fala hoje em dia sobre o desafio de conseguir chamar atenção do consumidor, não é? Em meio a tantos estímulos que nós recebemos diariamente, como fazer para que sua marca seja de fato percebida? Existem algumas (e muitas) maneiras de conseguir alcançar a atenção, mas hoje quero compartilhar com vocês a minha preferida: o storytelling.

Histórias fazem parte de quem nós somos e estão por toda parte. Por isso, de uns anos para cá, a indústria criativa percebeu a força que uma boa narrativa possui e desde então, o storytelling tornou-se a grande premissa da publicidade. Mas uma questão ainda permanece: por que será que nós amamos tanto histórias e por que elas funcionam tão bem? Graças a neurociência eu consegui achar essas respostas e resolvi contar para vocês.

Já reparou que, ao assistir filmes de terror, por exemplo, sabemos que o que é passado para nós não é verdade e, mesmo assim, ficamos com medo e aflitos? O motivo para isso acontecer é simples. Assim como você, seu cérebro ama histórias. Ao entrar em contato com uma narrativa, nosso cérebro deixa de agir como um mero espectador e se torna um participante da ação, vivendo as histórias como se fosse real. Bingo, atenção despertada e engajamento na certa!

Quando uma pessoa recebe uma informação descritiva, apenas as áreas responsáveis pelo processamento e compreensão da linguagem são ativadas. Quando a mesma informação é passada através de uma história, as coisas mudam completamente. Além dessas duas regiões, outras também podem ser acionadas. Nossas sensações auditivas, visuais e motoras, por exemplo, são estimuladas e somos transportados para o mundo da história, tornando-a muito realista.

Além disso, uma vez envolvidos com a narrativa, tendemos a encaixá-la dentro de nossas próprias experiências e referências de vida. Por isso, o conteúdo transmitido em forma de história é mais facilmente armazenado pelo cérebro, quando comparado com uma simples informação. Pense nisso: não é muito mais fácil lembrar de algo que aconteceu durante sua infância do que um simples número de telefone?

Como você pode perceber, quando o assunto é storytelling o que mais aparece é vantagem. Mas não se engane, tudo depende do contexto. É preciso saber construir uma boa história.

Como conclusão: use e abuse das narrativas, elas tem a capacidade de estimular áreas incríveis no cérebro!

Para finalizar o meu texto com chave de ouro, quero deixar um exemplo prático para você, de um case que mostra a análise de uma campanha da Coca-Cola. Nele, a marca utilizou o storytelling como estratégia de Branded Content. Confere lá!

Neuroinsight: o poder do Storytelling.