O que emociona você e o seu consumidor?

O que emociona você e o seu consumidor?

Antes de começar a falar sobre emoções, quero que você pare e pense sobre como você acordou hoje. Seu humor estava bom? Estava melhor que ontem? O ser humano é movido a emoções, e todos os dias nós acordamos de um jeito diferente, não é mesmo? Tem dias em que você acorda muito feliz, mas também há dias em que você acorda triste. Em função dessas variações de humor, a maneira como enxergamos o mundo muda completamente. Assim, em certos dias estamos muito mais receptivos a tudo que está em nossa volta, e há dias em que estamos mais fechados, menos receptivos. Sabendo que o humor do seu consumidor não será sempre o mesmo, eu te pergunto:  será que você pode ajudar a criar um certo estado emocional para que o consumidor esteja mais receptivo a sua marca?

Com certeza você pode; e deve! Então vamos falar um pouco sobre estratégias para emocionar o consumidor.

O que emociona você e o seu consumidor?

Um estudo neurocientífico publicado em 2014, chamado “TV Strategy: The art of subconscious seduction”, comparou a eficiência de comerciais que apelavam para um lado mais emocional, com comerciais que eram apenas informativos, aqueles ditos persuasivos – “é amanhã, só amanhã”, sabe do que eu estou falando, não sabe? Os resultados do estudo mostraram que os comerciais mais emocionais têm vantagem sob os informativos, contribuindo com uma maior aceitação das marcas pelos consumidores. De maneira geral, os comerciais recheados de emoção costumam ter mais sucesso na construção de marcas, como diz o próprio autor de artigo: “Para criar uma marca forte, você tem que usar o poder da emoção (sedução) ”.

Além disso, não é novidade que a relação entre as pessoas e as marcas vai muito além da compra dos produtos propriamente dita.  Atualmente as pessoas compram experiências, e grande parte dessa experiência se deve às emoções que a sua marca consegue gerar no consumidor.

Ainda dentro do campo das emoções, mas fugindo um pouco de estratégias mais tradicionais, também podemos falar do Marketing Social, outro artifício poderoso no que diz respeito à criação de empatia e familiaridade, muito utilizado por várias empresas para emocionar o consumidor. Essa modalidade do Marketing, que surgiu na década de 70, é focada em mudanças de comportamento com objetivo de solucionar questões sociais. Em outras palavras, o Marketing Social é uma ferramenta de posicionamento que abraça causas sociais. E nos dias de hoje,  em que a sociedade está muito mais solidária e as pessoas têm sede de mudanças, os consumidores valorizam as marcas cada vez mais com base nas suas intervenções sociais.

Assim, a aplicação do Marketing social por empresas, seja ela voltada para a conscientização de uma causa, ou mesmo para a divulgação de trabalhos sociais, acaba contribuindo com a criação de valor para a marca. Essas estratégias, quando bem executadas, aumentam a possibilidade de consumidores se sentirem empáticos pela empresa, de se tornarem “parceiros dessa marca” – além de contribuírem com mudanças positivas no mundo, é claro!

Um exemplo prático disso, foi a campanha lançada pela L’Oreal especialmente para o dia Internacional da Mulher de 2016, que você pode ver abaixo. A campanha conta a história do primeiro Dia da Mulher que Valentina Sampaio, uma mulher transgênera, passou com seu novo documento de identidade. Além de trazer à tona temas importantes, como a teoria de gêneros e a expressividade das mulheres, a L’Oréal invoca o lado emocional através de vários elementos, incluindo o mote da campanha “Toda Mulher Vale Muito”.

Seja através da construção de histórias emocionantes, da adesão a causas específicas, ou de qualquer outro tipo de estratégia, tocar no lado emocional do consumidor pode ser um bom caminho para alcançar resultados positivos. E falando especificamente do Marketing Social, a possibilidade de tornar o mundo um lugar melhor me agrada muito. E você, caro leitor, o que te emociona?

O que emociona você e o seu consumidor?